Diário da Região

27/05/2018 - 00h00min

ANTIGOS, PORÉM EFICAZES

Conheça quais são as aulas antigas que ainda lotam as academias

Profissional explica que a procura pela modalidade cresce cada vez mais devido aos resultados positivos

Fotos: Johnny Torres Aula de bike indoor
Aula de bike indoor

Se algum dia na vida você frequentou uma academia de ginástica, sabe da existência de aulas como bike indoor e localizada. Nos anos 1980 elas fizeram muito sucesso, mas com o passar dos anos foram perdendo espaço para atividades consideradas modernas, porém ao contrário do que alguns imaginam nunca foram esquecidas completamente. São as "anciãs queridinhas" da malhação. "Nós, da Beatcycle trabalhamos com bikes avançadas em tecnologia. Todas elas possuem vários sensores e um sistema que juntos, captam informações do aluno como calorias gastas, energia produzida, força aplicada e monitoramento cardíaco", explica Ulisses Cury, franqueado Beatcycle em Rio Preto.

Segundo Cury a procura pela modalidade cresce cada vez mais. "É uma junção de atividade física com diversão. Outro fator que faz aumentar a procura é o fato das ruas estarem perigosas. É importante ter um lugar para treinar sem se preocupar com os carros", frisa.

Conhecida no universo fitness como GAP (glúteos, abdômen e pernas), a aula localizada perde em tecnologia, mas ganha em eficiência e de quebra é uma ótima aliada para quem pratica atividades como corrida, natação e bike, porque melhora o condicionamento físico. "É uma aula até hoje muito procurada. Além de tonificar todas as musculaturas envolvidas, melhora performance cardiorrespiratória e o resultados muscular é nítido", garante a educadora física Luana Fernanda, da academia Pronadar, em Rio Preto."Em 30/40 minutos de aula você pode perder até 300 calorias", conta.

Me encontrei e virou um vício bom

Johnny Torres Há 5 meses a médica Liedtke Kaiser pratica bike indoor
Há 5 meses a médica Liedtke Kaiser pratica bike indoor

Há 5 meses a médica Fernanda Liedtke Kaiser, que passava longe das academias, se encontrou na bike indoor. "Nunca gostei de academia, sempre vi como algo que além de me prender me faria jogar dinheiro fora, por causa dos meus horários. No início do ano, uma prima me indicou a Beatcycle, disse que seria um local que me agradaria pela flexibilidade de horários e pela dinâmica do exercício e foi exatamente isso que aconteceu. Gostei tanto, me encontrei, que virou um vício bom, quanto mais eu vou, mais quero ir", conta.

Fernanda conta que a sugestão da prima veio no meio de um turbilhão. "Passei por um distúrbio hormonal e comecei a engordar. Quando dei início as aulas eu ia todos os dias, perdi o que ganhei em um mês e isso me deixou ainda mais motivada. Os resultados vieram, as aulas são prazerosas. Atingi meu objetivo e continuei porque me sinto bem. Hoje, tento ir no mínimo três vezes na semana, mas normalmente vou todos os dias", garante.

Segundo Cury quem se dedica, realmente, atinge rápido seus objetivos. "As aulas, normalmente, têm duração de 45 minutos, digo normalmente, porque temos aulas especiais de 60 muitos e até de 100 minutos. Mas nas aulas tradicionais se perde de 400 a 800 calorias. Já tivemos alunos, nas aulas especiais, que chegaram a perder de 1.200 a 2.000 calorias, mas que fique claro, não adianta você programar a bike no módulo 'passeio no parque' e achar que vai perder algo pelo simples fato de estar pedalando", pondera.

Corpo em movimento

Johnny Torres GAP: em 30/40 minutos de aula você pode perder até 300 calorias
GAP: em 30/40 minutos de aula você pode perder até 300 calorias

Mesmo segmentado para glúteo, abdômen e pernas, o GAP tem um ritmo acelerado e realiza exercícios com carga de leve a moderada e cheia de repetições. Por ser intenso, os especialistas não recomendam que a prática seja diária. "O ideal é que haja pelo menos um dia de intervalo entre os exercícios para não provocar fadiga ou estresse muscular", explica o educador físico Isaias Lemes.

Já a bike, ao contrário do que se imagina, trabalha muito mais do que só as pernas. "Trabalham-se dois tipos de musculaturas: Inferiores e as Estabilizadoras. Inferiores estamos falando da cintura pra baixo: Coxas, Panturrilhas e Glúteos. Os músculos estabilizadores, que entram em trabalho para auxiliar a manter o equilíbrio do praticante, são os músculos da coluna e do abdômen. Sendo acionados, esses músculos criam uma estabilidade melhor para que você consiga realizar uma movimentação mais intensa das pernas", informa Cury.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso