Diário da Região

    • -
    • máx min
24/06/2018 - 00h00min

SAÚDE EMOCIONAL

Especialista fala sobre aprender a lidar com os 'tombos' na vida

A crença de que errar é uma coisa ruim impede que você aprenda a lidar com os erros

Pixabay/Divulgação Foto ilustrativa
Foto ilustrativa

Não tem como fugir dele, o erro é inerente ao ser humano. Ele acontece desde os primeiros passados, quando você se arrisca a andar de bicicleta pela primeira vez. Muitas vezes erra ao arranjar o primeiro namorado, o primeiro emprego. Enfim, simplesmente erra. E não tem como fugir deles, eles vão te perseguir por toda a s nos perseguem ao longo da vida, não de propósito, mas por acidente.

O problema é que, desde cedo, as pessoas são programadas a pensar que errar é uma coisa ruim. Essa crença impede que você possa aprender com os tombos levados. Mas você precisa ter em mente que a sabedoria de aprender com o erro é indiscutível e deve, sim, ser aplicada em todos os momentos da sua vida. Tanto é verdade, que só o Google possui mais de 10,5 milhões de páginas que tratam como aprender com eles. A boa notícia é que dá para aprender com o erro da mesma maneira que você, quando criança, descobriu que era possível fazer diferente para dar certo logo aos primeiros tombos quando aprendeu a andar.

Por que erramos?

Primeiramente, as pessoas erram devido à condição humana: são falíveis e imperfeitas. Erramos e ainda vamos errar diante de adversidades do dia a dia. Apesar disso, na maioria das famílias, organizações e culturas, o erro e a culpa são virtualmente inseparáveis. A certa altura, toda criança descobre que admitir o erro significa pagar por ele. É por isso que tão pouca gente vive a cultura de segurança psicológica na qual seja possível colher plenamente o benefício de aprender com o erro.

"Na vida, é impossível que todos os nossos planos e projetos funcionem sempre bem, do jeito que gostaríamos. Todavia, convêm lembrar as lições aprendidas no sentido de nos tornarmos vencedores, pois um evento adverso, ou até mesmo catastrófico em nossa vida, pode ser o ponto de partida para algo bem melhor ou maior", diz o médico e psicanalista Antonio Pedreira, professor da Universidade Federal da Bahia.

Aprender com os erros é, de longe, a maior recompensa, pois aprendizagem implica em mudança. "A sabedoria oriental nos ensina que crise e oportunidade vem juntas ao grafar estes dois vocábulos com o mesmo ideograma. "Quem cresceu, prosperou ou fez sua independência, aproveitou a oportunidade oferecida pela crise, para, com criatividade e perseverança sair dela ileso, beneficiado, e ainda enriquecido pelo aprendizado que teve na situação crítica ou adversa", explica Pedreira.

"Temos experiência de que as tentativas exigem sempre algo novo para alcançar um resultado e o erro é apenas o resultado diferente daquilo que esperamos", diz a terapeuta holística Vânia Medeiros. Precisamos aprender a não ser tão críticos com o erro e não encará-lo como forma de incapacidade. Isso gera sofrimento e tentamos empurrá-lo para 'debaixo do tapete', esquecer que erramos, muitas vezes distorcemos a situação para não olhar pra nossas atitudes e não se cobrar por isso", diz.

E Vânia continua: "examinar a fundo nossas falhas é emocionalmente desagradável e pode derrubar a autoestima. A maioria de nós, se pudesse decidir, dedicaria pouco tempo à análise de erros ou simplesmente evitaria a tarefa. Conclusão: não aprendemos." A chave, segundo ela, é ter humildade para admitir que demos o nosso melhor, que caímos, mas podemos levantar, fazer diferente, se segurar em alguma coisa.

"Assumir nossos erros exige muita coragem em um mundo que parece feito de pessoas que sempre ganham todas. Assumir nossa ignorância exige muita humildade nesse mundo de quem sabe tudo", diz o psiquiatra e escritor Roberto Shinyashiki.

Olhe de frente para seu erro, aprenda com ele. Veja qual foi a atitude, o pensamento e o resultado obtido com a tentativa. Se não gostou do resultado, anote na agenda como "aprendizado". Tenha em mente que se quiser outro, será preciso fazer diferente da próxima vez.  

Aprenda com o erros

  • Não se desespere. Se estiver para entrar em desespero diante da adversidade, devido a um erro cometido, pare e reflita: quantas vezes hoje você ri da insignificância de alguns problemas que tanto lhe perturbaram no passado, e que pareciam aniquilar qualquer chance de voltar a sorrir, ou de ser feliz de novo?
  • Quando tudo parece desmoronar, experimente parar e fantasiar um pouco com a vida que você gostaria de ter. Logo você vislumbrará opções para superar as adversidades, e/ou para encontrar os caminhos de reconstrução
  • Pare de se torturar, no auge da adversidade, remoendo aqueles erros que cometeu e que não dá para você corrigir agora. Porém, lembre-se de corrigi-los no momento certo
  • É certo que não podemos voltar atrás e reparar o mal feito, o erro, a falha, ou o deslize. Todavia, cabe a cada um usar esta experiência de vida para uma possível existência mais plena e feliz

Fonte: Antonio Pedreira, psicoterapeuta

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso