Diário da Região

    • -
    • máx min
15/07/2018 - 00h00min

DE CASA NOVA

Especialista afirma que mudança de casa também é um desafio para seu pet

Para amenizar os efeitos no melhor amigo, é fundamental tomar alguns cuidados; Confira

Pixabay/Divulgação Cão e gato
Cão e gato

Se a adaptação da família em uma nova casa ou apartamento nem sempre é simples, para os pets não é muito diferente. Os cães ficam, de fato, perdidos. De uma hora para a outra eles perdem todos os sentidos e referências que tinham, por isso eles ficam realmente desnorteados. Isso porque, no novo ambiente, eles já não sentem os mesmos cheiros, os espaços são irreconhecíveis e até os sons são estranhos.

Para amenizar os efeitos no melhor amigo, é fundamental tomar alguns cuidados. O primeiro passo é analisar o espaço: você está saindo de uma casa pequena e indo para uma maior ou o contrário? Quanto mais diferenças existirem, mais assustado o pet ficará, portanto, lembre-se que a adaptação leva tempo e também muita paciência.

"Quanto mais velho for o pet, mais lento será o aprendizado, por isso é necessário ter calma e dedicação. Em tempos de mudança, vale dar mais atenção e amor ao pet para que ele se sinta acolhido no novo lar", explica o veterinário Hamilton Lorena. "A dedetização do novo lar antes da chegada do seu melhor amigo também é essencial para evitar o risco de uma infestação de pulgas ou carrapatos ou de uma virose", explica a veterinária Juliana Gabarron.

Com os felinos, a mudança não é diferente. A atenção deve ser redobrada, pois, os gatos tendem a retornar para seu antigo lar. "Os felinos possuem um senso de direção aflorado. A excelente memória visual e olfativa dos gatos permite que eles encontrem caminhos para lugares familiares", explica Hamilton Lorena.

"É importante que o animal entre no novo lar com os donos, para sentir confiança de que estarão juntos nessa nova casa", orienta o veterinário. Durante a movimentação de móveis e pessoas estranhas na mudança, é recomendável que o pet não esteja em casa para evitar estresse. "Uma ótima opção é deixá-lo na residência de alguém que ele já conheça ou uma creche, caso ele esteja acostumado a frequentar o local", recomenda a adestradora Mariana Taioli

Cuidados devem começar antes

Mesmo que você decida não decida contratar uma empresa de mudanças para a organização e embalagem dos pertences, os dias que antecedem a mudança costumam ser bastante agitados. É preciso manter a rotina deles: continue com a alimentação e passeios nos mesmos horários, para que ele entenda que tudo está do mesmo jeito. Também não tente mudar o local do "banheiro", a ração ou a caminha.

Alguns truques podem ajudar

Para os cães

Apresente os espaços do novo lar ao cão. Entre com ele em cada cômodo e mostre onde ficarão os potes de água e comida, a caminha e o novo local que será usado por ele como "banheiro".

Não fique irritado caso seu cão faça xixi fora do lugar apropriado. Uma alternativa é adotar tapetes higiênicos, pois normalmente eles vêm com odores atrativos para o uso como sanitários.

Faça testes de ambientação. Se a casa agora tem um quintal, por exemplo, não deixe o cão lá por muito tempo sem adaptá-lo. Primeiro, teste ficar lá fora com ele. Depois, reveze um pouco, deixe o cão fora alguns minutos e depois traga-o para dentro até que ele se acostume com os novos ambientes.

Aos poucos, insira o animal em uma nova rotina. Se antes a residência era grande e agora é mais compacta, não se esqueça de levar o pet para passear algumas vezes por dia. Assim ele gastará suas energias da mesma forma que antes, até se ajustar ao espaço do novo lar.

Escolha um lugar aconchegante para colocar a caminha e todos os outros brinquedos do pet. Isso irá fazê-lo lembrar do antigo cheiro que estava acostumado a sentir e assim ele ficará calmo para adormecer.

Para os gatos

Os cuidados para adaptar os gatos ao novo lar já começam no transporte. No carro, a caminho da nova casa, certifique-se de que o animal está devidamente preso em uma caixinha de transporte confortável. Diferentemente dos cães, a maioria dos gatos não gostam de ser transportados de um lado para outro e ficam mais ariscos durantes os deslocamentos, o que pode tornar o início da mudança ainda mais traumatizante.

Ao chegar na nova residência, reserve um cômodo com portas e janelas fechadas para deixar o felino e seus pertences. O gato é muito apegado aos cheiros do lar, então, é mais seguro deixá-lo preso por um tempo até que ele se sinta ambientado.

Depois dessa ambientação, permita que ele passeie pelos lugares e se lembre que aquele cômodo onde estão seus pertences é o seu porto seguro. Em alguns dias, o gato estará ambientado e confortável com o seu novo lar.

Fonte: Hamilton Lorena, veterinário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso